Pescador de primeira viagem? Aprenda aqui alguns truques

Pescar já esteve relacionado a um ato de sobrevivência e, por muito tempo, foi a maneira pela qual comunidades inteiras retiravam o seu sustento. Conforme o tempo passava e os homens se tornavam cada vez mais urbanizados, a pescaria foi ficando mais restrita. Hoje, porém, a prática começou a ser vista como sinônimo de contato com a natureza e de desenvolvimento da paciência -artigo de luxo nas grandes cidades.

Nos últimos anos, a pesca virou até um esporte. Na prática esportiva, o animal é solto depois de fisgado e o adepto toma uma série de precauções para minimizar o impacto à saúde do animal, como tirá-lo do anzol com a mão molhada e não manipulá-lo demais para não ressecá-lo desnecessariamente.

Ao escolher o local, tente descobrir quais são os peixes que você vai encarar. Assim, estará preparado com a linha, as iscas e o anzol corretos. No lago da Villa Toscana, área interna do resort Villa di Mantova, o pescador vai encontrar carpa-capim, tilápia, pacu e traíra.

Para quem nunca praticou, mas está curioso para tentar, existem algumas dicas para fazer bonito desde o primeiro dia:

Procure um lugar controlado

Optar por um pesqueiro ou hotel-fazenda é um ótimo começo. Viajar ao Pantanal ou navegar por mar aberto atrás de um grande e exótico peixe pode ser uma experiência gratificante, mas é importante conhecer os fundamentos antes de uma aventura dessa complexidade. Fazendo um paralelo, é como se no primeiro dia de autoescola o instrutor levasse o aprendiz para circular na marginal Tietê, em São Paulo, na hora do rush de um dia chuvoso.

Em lugares controlados, além de ter um espaço seguro e adequado para a prática, o tanque costuma ter um bom número de peixes. Isso minimiza a possibilidade de frustração de não fisgar um mísero peixinho depois de passar a tarde toda em frente à água.

Equipamento

Para iniciar a pescaria, você precisa, é claro, de equipamento. Muitos dos lugares dedicados à pesca, como os citados acima, disponibilizam itens adequados. Se não for o caso, porém, visite uma loja especializada. Lá, o vendedor indicará o produto que suprirá a sua necessidade.

De qualquer modo, é bom se familiarizar com os nomes e as funções das ferramentas além da vara de pesca.

Molinete, rotor e giradores o molinete armazena a linha de pesca, facilitando o manuseio da vara. O rotor e os giradores evitam torções na linha. Existem muitos modelos. O ideal é aquele que é fácil de usar e  tem capacidade de fornecer linha suficiente para o local de pesca.

Linha de pesca – há uma boa variedade de linhas. Cada uma delas é voltada a um tipo e a um tamanho de peixe. Portanto, não é preciso comprar a mais resistente do mundo para pescar peixes menores, que será o caso dos iniciantes.

Suporte para vara – O suporte é especialmente relevante para quem vai passar muito tempo pescando, pois permite o descanso depois do lance. Deixe no suporte e aproveite a natureza ao seu redor.

Anzol – Existe uma infinidade de opções. Tal como a linha, você precisa saber o que vai encontrar pela frente, ou corre o risco de gastar dinheiro com a isca mais cara e ainda não pegar nenhum peixe por usar um anzol inadequado. O chumbado serve para deixar a isca fixa.

Alicate e tesoura – Depois de retirar o peixe da água, seja na prática esportiva ou na tradicional, você pode precisar de um alicate para retirar o anzol do peixe. Uma tesoura também é útil. Ela serve para se livrar de sobras de nylon e realizar outras tarefas que surgirão durante a pescaria.

Sente e espere

Em tanques cheios de peixe, o tédio se manterá longe do pescador de primeira viagem. No entanto, em situações normais, para pegar um bom peixe é preciso esperar. Por isso, reduza o ritmo e aceite que a natureza corre em outra velocidade.

À espera do peixe, lembre-se de levar protetor solar, chapéu, uma mochila para carregar itens essenciais e roupas com muitos bolsos (você vai precisar deles). Enquanto isso, aprecie a natureza, leia um bom livro ou ouça a sua playlist favorita no fone de ouvido. Lembre-se de permanecer em silêncio para não afugentar os bichos. Quem sabe você não sai de lá com um belo jantar nas mãos?